Em análise, o Tribunal de Contas da União (TCU) acusa o governo Bolsonaro de omissão, ineficácia e abuso de poder na gestão da pandemia de covid-19. No texto, o TCU coloca que o Ministério da Saúde desconsiderou o agravamento da crise, as condições sanitárias e as reais necessidades das secretarias dos estados e municípios.

O relatório será do TCU será um dos pilares durante a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, convocada pelo Senado no último dia 13. Ainda de acordo com a análise do TCU, os representantes do Tribunal se reuniram com representantes do governo em março para tratarem da falta de medicamentos IOT (intubação orotraqueal) para pacientes em estado grave. Os representantes do TCU afirmam que o ministério não levou em consideração medicamentos para as Unidades Básicas de Saúde (UBS) e Unidades de Pronto Atendimento (UPA), que também estariam realizando procedimentos em pacientes graves.

Outro ponto destacado pelos fiscais do TCU foi que o governo enviou medicamentos aos estados “de forma linear”, ou seja, desconsiderou a quantidade de leitos de cada estado. Além disso, a falta de planejamento do ministério em monitorar o kit intubação nos estados exemplifica o que o TCU classificou como “abuso de poder e omissão”, para se eximir das responsabilidades, o Ministério da Saúde delegou a estados e municípios a obrigação de dar conta da demanda.

O TCU deu 15 dias para o ministério para preparar um “plano estratégico detalhado” para possibilitar “medidas relacionadas à gestão e assistência farmacêutica”.

Fontes: UOL, Brasil de Fato, Rede Brasil Atual

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil