Com argumento de que precisam recuperar a liberdade para trabalhar, bolsonaristas foram as ruas durante o dia primeiro de maio, Dia do Trabalhador e Trabalhadora. Ocorreram manifestações em todo o país para criticar o isolamento social e defender a volta de atividades.

Vestidos de verde e amarelo, os bolsonaristas também defenderam a volta do voto impresso e afirmaram serem contra o Supremo Tribunal Federal (STF) e a governadores e prefeitos que são oposição ao governo Bolsonaro. Os atos em várias capitais do Brasil também pediram o “fim do comunismo” e intervenção militar.

Em São Paulo, rezaram o Pai Nosso e Ave Maria e um pastor afirmou que “crente não tem medo de morrer”, referindo-se ao número de pessoas que se aglomeravam no local e participavam do ato sem máscara. O pastor ainda afirmou que prefere morrer de Covid do que de tristeza.  

Historicamente o primeiro de maio tem como tema a defesa do trabalhador e da trabalhadora e a defesa da democracia.

Fontes: Folha de S.Paulo, Veja, Carta Capital

José Cruz/Agência Brasil