As notícias de crimes tendo como vítimas indígenas Yanomami em Roraima já davam, há algum tempo, um sinal de que algo de grave ocorria na região. Mas só agora, com a chegada de uma força-tarefa do governo federal ao estado é que se pode constatar o tamanho do estrago: dezenas de indígenas mortos, desnutridos e casos de estupros contra as mulheres eram o cotidiano da população que pediu socorro ao governo de Jair Bolsonaro por 21 vezes e não foi atendida. Agora, o ministro da Justiça Flavio Dino determinou que a Polícia Federal (PF) investigue crimes ambientais e de genocídio que teriam ocorrido no local durante os últimos anos.  

O avanço do garimpo ilegal, em especial no norte de Roraima onde está localizada a Terra Indígena Yanomami, a maior reserva indígena do país, contribuiu para a situação alarmante e desumana na qual os indígenas foram encontrados. "Desde o ano passado vislumbramos muito claramente uma crise humanitária não só pela atividade de mineração ilegal, mas também, mas também pela falta de gestão da saúde Yanomami", afirma o procurador Alisson Marugal, autor de dezenas de ações judiciais em prol de garantir os direitos do povo Yanomami. Somente em 2022, 99 crianças Yanomami morreram por problemas relacionados à desnutrição, segundo dados levantados pelo Ministério dos Povos Indígenas.

Após receber denúncias da situação de desnutrição profunda e adoecimento pela qual centenas de crianças, adultos e idosos passam na Terra Indígena, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva solicitou ajuda das Forças Armadas para uma visita à região, que ocorreu no último sábado (21).  Alarmado com a crise sanitária e ambiental, o presidente prometeu acabar com o garimpo ilegal na Amazônia

Lula elaborou um decreto para a criação do Comitê de Coordenação Nacional para Enfrentamento à Desassistência Sanitária das Populações em Território Yanomami que terá duração de 90 dias. Além disso, na última sexta-feira (20), o Ministério da Saúde decretou estado de emergência para combater a falta de assistência sanitária que atinge os indígenas, que já está em vigor. "É desumano o que eu vi aqui. Sinceramente, se o presidente que deixou a Presidência esses dias em vez de fazer tanta motociata tivesse vergonha e viesse aqui uma vez, quem sabe esse povo não tivesse tão abandonado como está", declarou o presidente.

Bolsonaro fala em "farsa da esquerda"

Em resposta às declarações de Lula, Bolsonaro publicou em seu canal no Telegram um texto intitulado "contra mais uma farsa da esquerda, a verdade", no qual se limita a citar as ações de sua gestão em prol dos indígenas, mas nada fala sobre a situação em que os Yanomami do norte de Roraima foram encontrados.

Nas redes sociais, pipocaram mensagens de internautas questionando a ex-ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, sobre a morte de 570 crianças Yanomami nos últimos quatro anos. Ao longo de sua gestão na pasta, a agora Senadora solicitou que o ex-presidente Jair Bolsonaro vetasse a Lei de Proteção a Indígenas e ainda foi acusada de sequestrar crianças indígenas. Em resposta, a "terrivelmente evangélica" ex-ministra disse que "o papel da antiga pasta era receber denúncias e que todas elas eram encaminhadas aos órgãos competentes: 'Não era ministério fim, era o ministério meio'."

Você precisa saber

Ministra dos Povos Indígenas institui gabinete de crise após seis mortes em oito meses na Bahia  

Pelo menos seis indígenas foram mortos nos últimos oito meses em cidades do sul e extremo sul da Bahia em crimes que estão sendo investigados pela Polícia Civil. Ainda que não se possa afirmar a relação entre eles, parte dos casos podem estar ligados à disputa de terras na região. As vítimas eram todas homens com idades entre 14 e 50 anos. Após a morte mais recente, ocorrida no último dia 17, quando dois pataxós foram mortos a tiros na BR-101 em Itabela, a ministra dos Povos Indígenas do Brasil, Sônia Guajajara, instituiu um gabinete de crise para acompanhar a situação de conflitos por terras na região. 

Hospital devolve cifras cobradas indevidamente de candidatos a vaga de recepcionista no Pará

O Hospital de Cametá, no Pará, teve de devolver montantes cobrados indevidamente de candidatos em uma seleção para vaga de recepcionista no Hospital e Maternidade Santa Luisa de Marillac. A devolução faz parte do acordo firmado com o Ministério Público do Trabalho (MPT) após denúncia. O Hospital abriu um novo processo seletivo sem cobrança de taxa e apresentou ao MPT o cronograma e os recibos de reembolso aos 80 inscritos na seleção anterior.

Análises

Cargo de confiança e a 7 e 8ª hora
Por escritório CCM Advogados.

Ainda que o artigo 224 da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) estabeleça que a jornada de trabalho dos bancários é de 6 horas por dia, muitas instituições financeiras se valem de uma brecha prevista pelo artigo 225 da mesma legislação. Segundo o texto, trabalhadores em funções de confiança podem ter cargas horárias superiores, de até 8 horas diárias, sem que a empresa precise pagar a mais por isso. O artigo fala sobre que cargos podem ter direito a pagamento pela sétima e oitava horas trabalhadas e sobre as gratificações devidas aos trabalhadores. Continue lendo      

Eventos

  • Nesta terça-feira, 24/1, às 9h, tem evento online sobre "Instrumentos para alavancagem do setor de Saneamento", com especialistas sobre o tema.
  • Avanços e desafios do marco regulatório do mercado de criptoativos e ativos virtuais para as Fintechs são os temas de webinar na quinta-feira, 26/1, às 18h.
  • Seguem até 30/1 as inscrições para a formação virtual "A Nova Lei de Licitações e Contratos Administrativos" que a FGV Direito Rio oferecerá a partir do dia 6/2.

Dicas culturais

  • Cinema: "Me chama que eu vou", documentário que apresenta a trajetória de 50 anos de carreira do cantor Sidney Magal, estreou recentemente nas salas brasileiras. 
  • Música: "Fique onde eu possa ver", "Regresso" e "Silenciador" são os três singles que se juntam ao projeto com canções inéditas que comemora os 30 anos da banda mineira Pato Fu. 
  • Série: projeto "Acervo Maracá – 10 pedras" lança todas as terças-feiras, às 19h, em seu canal do YouTube, curtas que contam histórias das culturas afro-brasileiras e indígenas, por meio de seus mestres e artistas.
  • Memória: projeto "Brasil Memória das Artes" disponibiliza ao público o acervo da Fundação Nacional de Artes (Funarte) com fotos, arquivos sonoros, textos e documentos que ajudam a contar parte da história das artes cênicas, da música e das plásticas do país.

Cerca de 8 mil mulheres e crianças ocupam torcida de time no PR em dia sem homens nas arquibancadas

Mulheres e crianças lotaram o estádio Couto Pereira, em Curitiba (PR), para assistir ao jogo entre o Coritiba e o Aruko pelo Campeonato Paranaense. Com a entrada de homens proibida pela Justiça Desportiva, como forma de punição por uma confusão entre torcedores do Coxa Branca e do Athletico Paranaense em um jogo no ano passado, elas disseram se sentirem mais à vontade e seguras para demonstrar seu amor pelo time. “Foi uma sensação de segurança. Não que a gente não se sinta segura em jogos normais, mas era uma sensação de liberdade. Estávamos mais à vontade. Vi muito mais mães com seus filhos, vi outras amamentando seus nenéns,” contou a advogada Natália Oliveira, que também é uma das fundadoras do Gurias do Couto, um coletivo de torcedoras. E parece que a torcida exclusivamente feminina e infantil deu sorte na estreia do time na competição: o Coritiba venceu o Aruko por 1 a 0.